Google+ Badge

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

ASTRONOMIA

Europa, lua de Júpiter, pode ter água perto da superfície

Publicidade
 
GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO
Europa, uma gélida lua de Júpiter, pode ter um gigantesco bolsão de água líquida a "apenas" três quilômetros abaixo de sua superfície congelada. A descoberta aumenta as chances de o satélite ter condições de abrigar vida.
Qual é o planeta com maior probabilidade de abrir vida alienígena? Vote
A existência de água em grandes quantidades em Europa não é novidade. Os cientistas achavam, no entanto, que não havia contato entre a água "presa" sob o gelo e a superfície da lua.

Marcelo Pliger/Editoria de arte/Folhapress
O novo estudo, liderado por Britney Schmidt, da Universidade do Texas, e publicado na "Nature", usou dados da sonda Galileo para mostrar que não é bem assim.
"O estudo diz que a água está bem rasa, além de mostrar a existência de interação entre a superfície e as águas mais profundas", diz Rodney Gomes, astrônomo do Observatório Nacional.
A troca de nutrientes e energia entre a superfície e as águas sob o gelo aumenta as chances de um ambiente favorável à geração de vida.
Os pesquisadores estudaram regiões conhecidas como terrenos caóticos. Como o nome sugere, são formações irregulares, com áreas altas e outras afundadas, e formas parecidas com icebergs. Embora haja centenas delas no satélite, seu processo de formação era obscuro.
A partir do estudo de vulcões subterrâneos em áreas congeladas e da formação de icebergs aqui na Terra, os cientistas chegaram ao modelo do que acontece por lá.
No caso da lua, a água é esquentada não por vulcões, mas pela interação gravitacional entre ela e Júpiter.
A água mais quente forma bolhas de calor que "sobem". Essa água derretida forma lagos, que vão enfraquecendo a camada de gelo acima.
Conforme a camada de gelo vai cedendo, a superfície sofre modificações. Mais água vai se infiltrando e algo parecido com os nossos icebergs aparece no local.
A confirmação do estudo ainda depende da visita de uma nova sonda às luas de Júpiter. Com a Nasa (agência espacial americana) sob sérias restrições orçamentárias, deve demorar um pouco.