Google+ Badge

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Holocausto

Holocausto
Começa em Munique o julgamento de John Demjanjuk, suposto guarda nazist


Aos 89 anos e de cadeira de rodas, Demjanjuk chegou nesta segunda-feira à corte de Munique

MUNIQUE - Acusado de ajudar a matar 27,9 mil civis - na maioria, judeus - em 1943, o suposto guarda de um campo de concentração nazista John Demjanjuk, considerado o último algoz do regime de Hitler vivo, começou a ser julgado nesta segunda-feira, no que será o último grande processo na Alemanha por crimes nazistas.

O homem de 89 anos foi deportado em maio dos Estados Unidos para a Alemanha , onde segue preso desde então. Ele chegou nesta segunda-feira à corte de Munique para o início do julgamento.

Demjanjuk é acusado de ter sido guarda voluntário da SS. Ele pode receber pena de 15 anos de prisão, caso seja condenado pelas atividades no campo de extermínio de Sobibor, na Polônia.

O acusado liderava a lista dos 10 suspeitos mais procurados pelo Centro Simon Wiesenthal, e um juiz de Munique expediu um mandado de prisão em março para julgá-lo por supostamente ter ajudado nos assassinatos do campo de concentração Sobibor.

Mais de 60 anos após a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto, a cobertura da mídia na Alemanha sobre o caso tem sido restrita, com muitos alemães, especialmente os mais jovens que não viveram a guerra, ávidos por informações sobre o passado nazista.

Demjanjuk perdeu sua cidadania americana após ter sido acusado em 1970 de ser "Ivan o Terrível", um guarda conhecidamente sádico do campo de concentração Treblinka.

Ele foi extraditado para Israel em 1986, e sentenciado a morte em 1988 após sobreviventes do Holocausto terem o identificado como o guarda de Treblinka. Mas a Suprema Corte de Israel reviu a sentença, após evidências de que outro homem era o provável "Ivan".

Ele reconquistou a cidadania em 1998, mas o Departamento de Justiça dos EUA reviu o caso em 1999, argumentando que ele trabalhou para os nazistas como guarda em três outros campos e escondeu esse fato. Sua cidadania dos EUA foi retirada novamente em 2002.

Demjanjuk, que nasceu na Ucrânia, nega ter participado do Holocausto e a família dele alega que ele está muito frágil para suportar um julgamento . Ele diz ter sido recrutado pelo Exército soviético em 1941, tornado prisioneiro de guerra alemão e trabalhado em prisões alemãs até 1944.